domingo, 5 de fevereiro de 2017

Domingo

Está um domingo chuvoso e encontro-me deitado pensando na vida e escrevendo no meu blog em pleno 2017.
Escrever sempre foi minha válvula de escape, principalmente quando as coisas não iam lá muito bem.
Hoje escrevo através de um incentivo, transferir para um blog o que tenho na cabeça é uma tarefa difícil, principalmente no alto dos meus 35 anos, onde tanta coisa se passou em minha vida nos quase 8 anos que não exercito minha escrita aqui.
O legal disso é ver que os anos passaram, pessoas passaram por minha vida, deixaram suas marcas e seguiram o rumo de suas vidas.
E quanto a minha vida? Acho que encontra-se num período de redescobrimento.
Onde quer que você esteja, e o que quer que esteja fazendo ou pensando, obrigado pelo incentivo.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

A vida é engraçada

Quando você sai um pouco da esteira da vida para olha-la, leva um susto por ver quanto ela correu.
Quantas coisas passam pela vida, quantas pessoas, quantos sentimentos (em alguns momentos
vazios), quantas e quantas...
O ser humano é acomodado por natureza, quando não em relação às mudanças é a adaptação à elas.
É deprimente ver mudanças nas vidas das pessoas a sua volta, e sua vida estar praticamente no mesmo lugar, dá medo, falando francamente dá muito medo.
As vezes eu chego a me perguntar qual é a razão disso tudo?
Muitas pessoas que me rodeiam tiveram mudanças (digo até radicais) em suas vidas, graças a Deus para melhor...
Eu espero poder ver mudanças positivas na minha, e vou lutar para que isso dê certo, afinal de contas tenho que voltar a rotina de andar nessa esteira...
Eu sei que aqui dentro alguma coisa mudou...

sábado, 17 de outubro de 2009

Tenho medo quando a dúvida bate...
Aquela desorganização mental que outrora faria com
que eu andasse por caminhos sinuosos...
Ando receoso com minhas atitudes no passado, e no
que isso implica hoje em dia, ser diferente atualmente
mas sentir a mesma dor de antes...
Será?

domingo, 6 de setembro de 2009

Depois de tanto tempo sem postar, acho que já posso estabelecer um contato com um EU lírico...
Uma coisa pública e notória é que todo ser humano é carente por natureza. Necessitamos sempre de afeto e atenção, pra dizer como o dia no trabalho foi árduo, pra fazer algum comentário sobre uma música que ouviu na rádio, ou aquela roupa vista em alguma vitrine por ai que achou o máximo, mas o preço um absurdo.
A vida em determinadas ocasiões é vivida como uma busca infindável, por sucesso, dinheiro, status, realização pessoal, profissional e amorosa. Quando se tem paciência, o que você visualiza pode ser concretizado, mas friso bem a palavra paciência, pois agimos algumas vezes com pressa de que algo aconteça, e tomamos duras lições da vida canalizada em frustração.
Procurar ter paciência ajuda, falo isso por experiência própria, controlar impulsos faz você articular idéias, e agir de maneira correta e sábia, e encontrar realmente o caminho pro sucesso.
Talvez eu esteja encontrando esse caminho...

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Eu só vim aqui para escrever que to afim de ir numa rave tomar um doce e ver qual é a pira. No universo alucinógeno ainda sou novato, e prefiro permanecer. Barbitúricos e afins não é comigo. Chá de cogumelo nunca foi meu forte e maconha é esporádico, pois em determinadas épocas da vida da uma depressão desgraçada.
Afinal de contas, a vida é uma só, se nunca bebermos dessa água, como podemos dizer que ela é boa?

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Ironia

Odeio quando o passado me persegue. Fico sem jeito de tornar as coisas normais, como se aquilo nunca tivesse me afetado. Ok! Pode parecer papo de frustrado, mas quem aqui consegue controlar-se quando aquele passado que deu errado resolve surgir como uma espinha na sua cara?
Queria nunca ter conhecido certas pessoas, me relacionado com algumas ou simplesmente dispender um pouco de afeto, já perdi meu tempo e gastei meus cartuchos com coisas que simplesmente não valiam a pena. E o pior de tudo é não ter jeito para se livrar disso...
Hoje ta sendo um diazinho complicado...

terça-feira, 16 de junho de 2009

Última vez que eu reclamo

Tem uma fase em nossas vidas que alguém parece ser único, insubstituível, inédito e tantos outros adjetivos que atribuímos à alguém. E quando descobrimos que ninguém é insubstituível, inédito e único?
Ai complica... Principalmente para os desavisados que tendem a levar tudo no "banho maria", no improviso, achando que, sempre vai ser referencial na vida de alguém.
Creio que essa fase passou de maneira genérica, ninguém tem tempo a perder com indecisões, medos e afins. Esse papo de "deixa eu viver a minha loucura" é coisa de pessoa de pouca personalidade. Já ficou no passado, mas sempre tem alguém que ressucite essa idéia.
Pô, por um lado a Mica tem razão, eu ando reclamando demais, tenho que mudar a temática dessas minhas piras. Em breve... Deixe as coisas se ajeitarem em minha cabeça.